segunda-feira, 20 de março de 2017

Devoção a São José


Março é o mês da devoção a São José, porque a sua festa maior é no dia 19 de março: São José, o esposo da Virgem; o homem justo que teve a honra e a glória de ser escolhido por Deus para ser o pai legal, nutrício, de Seu Filho feito homem. Coube a José dar-lhe o nome de Jesus.
Neste mês a Igreja nos convida a olhar para este modelo de pai amoroso, esposo fiel e casto, trabalhador dedicado; pronto a fazer, sem demora a vontade de Deus. A Igreja lhe presta um culto de “protodulia” (primeira veneração).
Há muitas orações dedicadas a São José, a Ladainha em sua honra, o Terço de São José, etc.. Santa Teresa de Ávila disse que sempre que lhe fazia um pedido a São José, em uma de suas festas (19 de março ou 1 de maio), nunca deixou de ser atendida. Todos os seus Carmelos renovados tiveram o nome de São José.
Fonte: Prof. Felipe Aquino



Formação Litúrgica:Salmo Responsorial


Formação Litúrgica – As Partes da Missa
LITURGIA DA PALAVRA
Salmo Responsorial
À primeira leitura segue-se o salmo responsorial, que é parte integrante da liturgia da palavra, oferecendo uma grande importância litúrgica e pastoral, por favorecer a meditação da palavra de Deus.
O Salmo responsorial deve responder a cada leitura e normalmente será tomado do lecionário.De preferência, o salmo responsorial será cantado, ao menos no que se refere ao refrão do povo. Assim, o salmista ou cantor do salmo, do ambão ou outro lugar adequado profere os versículos do salmo, enquanto toda a assembleia escuta sentada, geralmente participando pelo refrão, a não ser que o salmo seja proferido de modo contínuo, isto é, sem refrão. Mas, para que o povo possa mais facilmente recitar o refrão salmódico, foram escolhidos alguns textos de refrões e de salmos para os diversos tempos do ano e as várias categorias de Santos, que poderão ser empregados em lugar do texto correspondente à leitura, sempre que o salmo é cantado. Se o salmo não puder ser cantado, seja recitado do modo mais apto para favorecer a meditação da palavra de Deus.
Em lugar do salmo proposto no lecionário pode-se cantar também um responsório gradual do Gradual romano ou um salmo responsorial ou aleluiático do Gradual Simples, como se encontram nesses livros.
 Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos
 Roma - 2002



sábado, 18 de março de 2017

Por que o Glória e o Aleluia não são cantados na Quaresma ?


Na Igreja liturgicamente, cada Tempo tem suas especificidades. Sendo um dos “tempos fortes” do ano litúrgico, Quaresma são os quarenta dias que Jesus ficou no deserto. São dias de penitência e oração em preparação a Páscoa em que a Igreja pede aos cristãos a conversão e a crença no Evangelho. Assim, a Liturgia da Igreja nos leva a refletir sobre a nossa conduta como cristãos e nos chama a fazer um exame de consciência para que junto a ressurreição de Cristo, possamos renascer um cristão novo.
Neste Tempo de preparação, dentro de suas especificidades, entre outros gestos, omite-se o canto do “Glória” e do “Aleluia” nas celebrações.
Aleluia significa "Louvai Javé", e é aclamação marcada pela alegria e pela festa. O clima da Quaresma não combina com isso. O Aleluia será uma explosão de alegria na Vigília Pascal.
O Glória in excelsis, que os gregos denominam a grande doxologia, é um cântico de louvor entretecido de aclamações e súplicas, dirigido à Santíssima Trindade.  É omitido na Quaresma, pelos mesmos motivos.
Como todo tempo litúrgico tem cantos próprios, para a Quaresma, normalmente são cantos de inspiração bíblica convidando ao arrependimento, à conversão, à fraternidade.
Uma outra especificidade deste Tempo é cor. A cor litúrgica da Quaresma é o roxo, que convida à conversão, a penitência e à fraternidade.
Este clima a sobriedade deve transparecer também
na ornamentação (flores) e nos instrumentos musicais para acompanhar o canto.
Durante esses quarenta dias a Igreja costuma cobrir imagens. Esse antigo costume serve para alertar os fiéis que é preciso concentrar-se no personagem central da nossa fé e razão de toda caminhada quaresmal: Jesus


sábado, 11 de março de 2017

Campanha da Fraternidade 2017


Tema: Fraternidade: Biomas Brasileiros e defesa da vida
Lema: Cultivar e Guardar a Criação (Gn 2, 15)
Mais uma vez a Campanha da Fraternidade traz uma questão ambiental, baseada nas sagradas escrituras e na crise socioambiental que o mudo, e consequentemente, nosso país está vivendo. Neste ano somos convidados pela CF a uma “conversão ecológica”, pois, como cristãos não podemos nos omitir frente aos problemas que a criação de Deus está sofrendo. Assim a CF tem como objetivo geral “Cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover  relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho.” (CNBB 2017, p.16).
Nossa cidade está inserida no bioma Mata Atlântica, o qual se estende por 17 estados, que vão do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. Originalmente possuía uma densa cobertura vegetal, com uma enorme riqueza de espécies e grandes rios. Porém este bioma também foi um dos mais destruídos, sendo alvo do desmatamento em grande escala, o que acarretou a extinção de espécies, redução dos rios e poluição das águas.
  Diante da problemática que todos os biomas vêm sofrendo, em especial o bioma Mata Atlântica, do qual fazemos parte, e observando a realidade do nosso município, devemos refletir sobre qual futuro queremos dar as próximas gerações e o que podemos fazer para cultivar e guardar a criação.
Assim, não apenas na quaresma mas durante todo o ano, somos convidados por Deus e pela igreja a mudanças diárias e concretas, que passam pelo amor, cultivo, preservação, defesa entre outros, para que esta campanha gere frutos ao nosso redor e no nosso coração.

Iara Medeiros
Consagrada da Comunidade DMD
Formada em Ecologia pela UFPB


quarta-feira, 8 de março de 2017

MULHER CRISTÃ


Mulher cristã, um instrumento nas mãos de Deus!
um símbolo de amor pra os seus .
Uma professora sem restrições!
Uma coordenadora da sociedade, das nações.
Enigma inesgotável e forte.
a executora de atos nobres de toda sorte


Mulher cristã, a ternura que envolve a criança, 
Que envolve a vida do jovem com segurança, 
Que orienta os passos do jovem com seu exemplo,

Que acompanha o adulto e o leva ao templo.
É a base da célula- mater da sociedade.
É a heroína que sabe adornar a felicidade.


Mulher cristã é aquela que ensina o filho a orar.
É aquela que ameniza no mundo a chorar.
É aquela que não tem limitação!
É aquela que a todos dá atenção!
É aquela que contribui para o perdão.
É aquela que para tudo é a própria lição. 


Mulher cristã é um título de extrema honra sincera 
É o símbolo de toda cultura na terra.
É o conceito mais alto da feminilidade. 
É a mola mestra do mundo!
É o símbolo de felicidade. 
mulher cristã não tem distinção de raça,
classe social ou cor.


ELA crê em DEUS 
n'Ele vê o verdadeiro amor.

                                                                        
                                                                                             


Fonte: http://uma-palavradefe.blogspot.com.br/2015/03/o-que-e-ser-mulher-crista.html