terça-feira, 13 de setembro de 2016

Formação Litúrgica – Diversos Elementos da Missa


Maneiras de proferir os diversos textos
Nos textos que o sacerdote, o diácono, o leitor ou toda a assembleia devem proferir em voz alta e distinta, a voz corresponda ao gênero do próprio texto, conforme se trate de leitura, oração, exortação, aclamação ou canto; como também à forma de celebração e à solenidade da assembleia. Além disso, levem-se em conta a índole das diversas línguas e o gênio dos povos.
Nas rubricas, portanto, e nas normas que se seguem, as palavras "dizer" ou "proferir" devem aplicar-se tanto ao canto como à recitação, observados os princípios propostos.
Importância do canto
O Apóstolo aconselha os fiéis, que se reúnem em assembleia para aguardar a vinda do Senhor, a cantarem juntos salmos, hinos e cânticos espirituais (cf. Cl 3, 16), pois o canto constitui um sinal de alegria do coração (cf. At 2, 46). Por isso, dizia com razão Santo Agostinho: "Cantar é próprio de quem ama", e há um provérbio antigo que afirma: "Quem canta bem, reza duas vezes".
Portanto, dê-se grande valor ao uso do canto na celebração da Missa, tendo em vista a índole dos povos e as possibilidades de cada assembleia litúrgica. Ainda que não seja necessário cantar sempre todos os textos de per si destinados ao canto, por exemplo nas Missas dos dias de semana, deve-se zelar para que não falte o canto dos ministros e do povo nas celebrações dos domingos e festas de preceito.
Na escolha das partes que de fato são cantadas, deve-se dar preferência às mais importantes e sobretudo àquelas que o sacerdote, o diácono, o leitor cantam com respostas do povo; ou então àquelas que o sacerdote e o povo devem proferir simultaneamente.

Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos
 Roma - 2002





domingo, 11 de setembro de 2016

Ler a Bíblia diariamente é um excelente hábito


Bíblia é uma coleção de textos religiosos de valor sagrado para o cristianismo em que se narram interpretações religiosas do motivo da existência do homem na Terra. É considerada pelos cristãos como sendo de inspiração divina, tratando-se de um importante documento doutrinário.
O apóstolo Paulo afirma que "toda a Escritura é inspirada por Deus" literalmente, "soprada por Deus" (2 Timóteo 3:16).
É o livro mais vendido de todos os tempos com mais de seis bilhões de cópias em todo o mundo, uma quantidade sete vezes maior que o número de cópias do 2º colocado da lista dos livros mais vendidos, “O Livro Vermelho”.
A Bíblia é dividida em duas partes: o Antigo e o Novo Testamentos. O Novo Testamento apresenta a história de Jesus Cristo e a pregação de seus ensinamentos, durante sua vida e após sua morte e ressurreição, no século I.
O Novo Testamento é composto de 27 livros, dentre os quais se destacam os Evangelhos e por sua vez o Antigo Testamento   possui 46, dos quais se destacam o Livro do Gênesis -  o primeiro livro, totalizando, assim 73 livros.
De acordo com as Sociedades Bíblicas Unidas, a Bíblia já foi traduzida, até 31 de dezembro de 2007, para pelo menos 2.454 línguas e dialetos. Isso a torna mais acessível.
Viva a Bíblia, viva a Palavra de Deus!

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/B%C3%ADblia


quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Grito dos Excluídos


Neste mês de setembro a Igreja Católica no Brasil celebra o Dia dos Excluídos. O lema do Grito de 2016 nasceu a partir de uma afirmação do Papa Francisco. Assim, se chegou a “Este sistema é insuportável: exclui, degrada e mata”. Segundo o Grito, é notório que nos momentos de crise, seja política, econômico-social, que estes sistemas não suportam as mulheres, os pobres, os negros, os excluídos da sociedade. Dessa forma, sempre alguém será violado de diferentes formas, seja excluído, exterminado, ausente dos direitos básicos.
O lema perpassa, então, pelas várias crises, inclusive a humanitária. Cada vez mais se vive em guetos, se alimenta a intolerância, se destroem os valores humanos. E a engrenagem do sistema passa por cima de quem não compactua com as regras de sobrevivência e da própria vida em sociedade. “O lema este ano é bem desafiador. Vamos botar o povo na rua e denunciar as mazelas desta sociedade excludente em que vivemos”.
Em 2016 acontece a 22ª edição do Grito dos Excluídos. As Manifestações do Grito dos Excluídos acontecem na Semana da Pátria, com ponto máximo no dia 7 de Setembro – Dia em que se comemora a Independência do Brasil.
Na Diocese de Guarabira o evento acontecerá na Paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe na cidade de Guarabira na segunda semana de setembro.
Fonte: http://www.a12.com/noticias/detalhes/22o-grito-dos-excluidos-ja-esta-sendo-preparado









segunda-feira, 29 de agosto de 2016

As missões do Padre Ibiapina em Cajazeiras


O SANTA CRUZ, (Recife) Ed.58,pág. 02; 02/11/1861

MISSÕES EM CAJAZEIRAS
Dominus dabit verbum evangelisantibus, virtute multa. Sl. 67,12.
            Todas as instituições humanas depois de alguns anos necessitam de reformas, e se persistem em sua duração tornam-se aborrecidas, caem por si mesmas em desuso, e desaparecem; ainda mesmo quando os potentados do mundo as queiram sustentar, debalde se esforçam, porque o ouro prodigalizado e os rios de sangue apenas as fazem demorar, e por isso mesmo torna-se a sua queda mais estrondosa. Qual a razão porque a inexpugnável Esparta perdeu a sua independência, e os braços de seus belicosos filhos não eternizaram as regidas leis de Licurgo? O que há sido feito dos tão concorridos jogos olímpicos? Como deixou Roma de extasiar-se a vista de seus ensanguentados circos? Tudo são coisas que já foram, e dela só resta a triste história para testemunhar os desvarios humanos em todos os tempos.
            Mas outra tem sido a marcha das instituições que tiveram o seu princípio em Deus. Deus disse: O homem sustente-se à custa do suor de seu rosto, e não houve ainda um só que dessa lei se pudesse eximir. Santificai o dia sétimo; e o período de seis mil anos ainda não diminuiu a força de um tal mandado; mas Deus é imutável, e deste caráter revestem-se todos os seus atos. O Filho de Deus disse: Ide pregai o meu santo Evangelho a todas as nações, e dezenove séculos ainda não firam bastantes para que esse Evangelho perdesse o brilhantismo e vigor de seus primeiros dias. Em qualquer parte da terra onde os legítimos executores do mandado divino levantaram a voz, o povo em tropel corre, acumula-se em roda, e ouve a palavra divina com o mesmo ardor e espírito, como se pela primeira vez tivesse ouvido falar das grandes maravilhas aos homens prodigalizadas pelo redentor dos homens.
II
            Foi um ato destes sempre tocante que Cajazeiras presenciou durante quatro dias, que entre nós esteve o Padre José Antônio Pereira Ibiapina, Missionário Apostólico. S. Revma., apesar de seus grandes incômodos de saúde, havia saciado com o alimento da divina palavra aos habitantes de Souza, Picos, S. José, Santa Fé e S. João; e vendo os habitantes de Cajazeiras, que esse farol da mansão celeste lhes ia escapar, e que eles por si sós não eram suficientes, para fazê-lo retrogradar, recorrem a Mãe de Deus, a Senhora da Piedade, nossa Padroeira, colocam a sua imagem com um andor, e processionalmente vão-se ter com o enviado de Deus, que então se achava missionando na povoação de S. João, e dizem-lhe que por intercessão da mesma viesse satisfazer esta porção do rebanho de Cristo. O servo de Maria não pode resistir, e dizendo: Sim.Ela é quem me dará saúde, prometeu satisfazê-los.
            Com efeito no dia 15 do Agosto às cinco horas da tarde a estrada por onde devia vir o apostolo de Cristo, achava-se obstruída de um povo imenso de ambos os sexos, sem distinção de classes; um prazer inexplicável se divisava em todos os semblantes, onde raiava uma alegria mais que humana. As imagens entraram acompanhadas desse numeroso cortejo, e uma voz geral e uníssona entoava hinos de louvor a Virgem Mãe de Deus.
            Tanto que se reuniu o povo no lugar destinado, em seguida da breve elocução proferida pelo sacerdote, que em nome do Revmo.Vigário, fez a entrega do povo, S. Revma. subiu ao púlpito, e fez logo sentir o desejo da salvação da humanidadeque germina em seu coração; esta chama parece que imediatamente comunicou-se a todo aquele auditório, pois que se conservava no maior silêncio.
III
            Nos dias seguintes esse apóstolo brasileiro de um modo o mais persuasivo, claro e amoroso falou sobre o amor que as criaturas devem tributar ao Criador; sobre a educação que os pais devem dar aos filhos, e o respeito e obediência que estes devem a aqueles; sobre a excelência do sacerdócio, e a pureza de costumes e ciência que devem caracterizar o ministro do Senhor; sobre o escândalo e males que à sociedade proveem ou sejam estes feitos ao som da viola em uma pobre choupana, ou nos grandes solões ao som da música marcial; o que muito bem comprovou com a sentença de morte proferida por Herodes contra o Batista em um d’esses banquetes de corte a pedido de uma bailarina!!
            A exemplo do apóstolo das gentes que entregou a satanás o Coríntio incestuoso, ele proferiu do púlpito a maldição de Deus contra um sujeito que havia nesta povoação amancebado com duas irmãs de sua própria mulher, a quem ele havia abandonado, sendo uma das tais madrinha, mãe de criação e comadre da outra! O povo concebeu um horror tal a esse amaldiçoado, que não lhes dava água nem fogo e batia-lhes as portas; ele vendo-se em completo desprezo retirou-se, conduzindo com sigo as suas desgraçadas mancebas: tal é a força do mau hábito inveterado, que a tudo se sacrifica o infeliz pecador, menos à voz do Eterno quando o chama à conversão!!
            Pediu ele que os sambistas lhe trouxessem as suas violas, e as mulheres vaidosas as pontas dos vestidos, e foi pontualmente obedecido, de sorte que no quarto e último dia de missões estava de posse de 33 violas, e de um crescido número de pontas de vestidos. Na procissão do Cruzeiro, que então se levantou, mandou ele distribuir as violas com outras tantas meninas decentemente vestidas, levantando uma delas em um cestinho as pontas dos vestidos; mandou que adiante fossem 12 meninos com seus enfeitados fechinhos de lenha. Finda a procissão em frente do cruzeiro, feito um espaçoso círculo por mais de seis pessoas assistentes, a quem se distribuí porção de luzes, mandou ele reunir a lenha em forma de fogueira, na qual depois de acesa, cada menina de per si acompanhada de um sacerdote ia depositar a sua viola, e algumas pontas de vestidos, que da cestinha tiravam; enquanto outras menina entoavam um hino ao Divino Espírito Santo. Concluiu-se o ato com os vivas: À conversão dos pecadores! Á Nossa Senhora da Piedade! E ao triunfo da religião! E a cada um, o povo correspondia com entusiasmo santo.
            Talvez sejamos taxados de ignorantes, fanáticos ou hipócritas por esses empavonados sábios de salões, porque descrevemos e admiramos cenas desta ordem, a que chamamos edificantes; mas sem nos darmos ao incomodo de justificar-nos, apenas lhes aplicamos as seguintes palavras do Redentor: Graças te dou, Pai, porque escondestes estas coisas aos sábios e entendidos, e revelaste somente aos pequeninos.
 Parte IV
            Recolhido da procissão o povo ao lugar do costume, começou S. Revma. a fazer despedida, e ao passo que de sua boca saiam recomendações de ma ternura paternal; ouvia-se o soluçar sempre crescente desse numeroso povo; sinal este bem significativo do amor que todos lhe tributávamos.
            E donde vem que no breve espaço de quatro dias um homem sem algum desses prestígios que o mundo emprega para ganhar simpatias, tenha deixado como que em completa orfandade a tantas mil amas?! É que a sua doutrina não é deste mundo, e por isso as palavras tem a virtude não só de dirigir-se às inteligências, mas também de gravar-se nos corações; e aquele de quem é enviado lhes comunicou um poder imenso: Dominus dabit verbum evangelisantibus, virtute multa.
            Não é pelos melhoramentos materiais que se deve avaliar os frutos de uma missão católica, por isso pouco adiantamos em dizer, que em Cajazeiras em quatro dias apareceu como por encano um grande espaçoso adro na matriz; um elegante cruzeiro com um bem trabalhado pedestal em forma de coluna; e muito serviço feito no reparo do açude aqui existente. Mas o que deve encher de regozijo ao verdadeiro católico é saber que o melhoramento moral foi muito sensível; vê-se que a imensidade de mulheres mundanas que aqui existia tem desaparecido; muitos amancebados se têm casado; os sambas contínuos, que tanto incomodavam as pessoas honestas, foram desterrados, e em lugar deles ouvem-se vozes dirigidas ao Eterno em terços nas casas particulares em louvor da mãe de Deus; o mercado, que antes era feito no dia de domingo, foi transferido para o sábado, ficando assim a tarde de domingo livre para as predicas morais, que desde então em tais dias há sempre na matriz.
            Enfim graças mil sejam tributadas ao Altíssimo, que não se dedignou de permitir, que entre nós retumbasse a sua santa palavra proferida por um ministro tão digno de seu apostolado. Entre tanto resta-nos suplicar sempre a N. Senhora da Piedade, que como nossa Padroeira e Mãe amabilíssima não consinta, que a semente de tão profícuas missões fique sem crescimento, mas antes continuando a favorecer-nos faça com que ela germine em os nossos corações e dê frutos a cem por um para nós sempre deliciosos.
Cajazeiras 4 de Outubro de 1861.J. Thomaz.




sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Os 10 mandamentos do eleitor (CNBB)



1º. Mandamento – Não deixe de votar
A sua ausência enfraquece a democracia. Se estiver fora do seu domicílio e não for mesmo possível votar, não esqueça de justificar em qualquer local de votação. Se você perdeu o título, não haverá problema, pois você poderá votar com um documento oficial e original de identidade com fotografia que pode ser a carteira de identidade, carteira de trabalho, passaporte ou até mesmo a reservista. Se não souber o local de votação, basta telefonar ou acessar o site da Justiça Eleitoral para obter esta informação. Se você tiver dificuldades de locomoção, informe o cartório eleitoral para disponibilizar a seção adequada.
2º. Mandamento – Não vote contrariando a sua opinião
Não mude seu voto por influência da mídia ou deixando-se enganar por armadilhas publicitárias das campanhas eleitorais. Nem sempre o candidato mais simpático é o mais competente.
3º. Mandamento – Não venda seu voto nem o troque por favores
Não só a compra de votos é crime eleitoral, pois o eleitor que vende o voto ou apenas solicita algo em troca do voto está sujeito a pena de quatro anos de detenção.
4º. Mandamento – Não vote para contentar amigos ou parentes
O candidato que é bom para os outros eleitores, nem sempre será bom para você, principalmente se os parentes e amigos trabalharem para algum político.
5º. Mandamento – Não vote sem conhecer o programa do candidato e do partido dele
Os candidatos e partidos devem conhecer os problemas da população e ter a capacidade para solucioná-los. Analise se têm condições de cumprir o que prometem.
6º. Mandamento – Não vote sem conhecer o passado do candidato
Com a nova Lei da Ficha “ Limpa”, a Justiça Eleitoral tem sido mais efetiva em afastar os maus candidatos. No entanto, é prudente que o próprio eleitor busque melhores informações acerca da vida precedente dos políticos. A internet auxilia muito nesta busca.
7º. Mandamento – Não vote sem conhecer o caráter do candidato
Ter bom caráter significa viver com moralidade, o que envolve a honestidade, sinceridade, a integridade, a confiança e o comprometimento. Não eleja ou reeleja candidatos sem caráter.
8º. Mandamento – Não deixe nenhuma pesquisa mudar o seu voto
As pesquisas podem influenciar quando é muito grande a margem entre o primeiro e o segundo colocado, mas muito pouco entre os tecnicamente empatados.
9º. Mandamento – Não anule seu voto
Voto nulo: o eleitor quer votar, tem candidato, mas erra por não saber votar; isso ocorre quando confirma o número de candidato inexistente ou abandona a urna antes de concluir a votação. Ao contrário do que se pensa, a nulidade de mais de 50% dos votos não anula a eleição.
10º. Mandamento – Não vote em branco
Voto em branco: o eleitor sabe votar, mas não quer votar ou não tem candidato. É o famoso voto de protesto. O voto branco não vai para o candidato ou partido mais votado.

Idealizado pela Coordenadoria de Comunicação do TRE-PR
Cartilha de Orientação Política: A Igreja e as Eleições 2016 - CNBB Regional Sul 2